Já pensou na qualidade da sua palavra-passe?

Opensoft > Blog  > Já pensou na qualidade da sua palavra-passe?
Já pensou na qualidade da sua palavra-passe?

Já pensou na qualidade da sua palavra-passe?

 

Numa altura em que nunca se falou tanto de proteção de dados, sabia que a segurança dos seus dados também está nas suas mãos? Garantir a qualidade de uma palavra-passe é uma das formas ao seu alcance para proteger os nossos dados pessoais.

 

Desde os primórdios dos sistemas de informação que os dados são protegidos através da utilização de um nome de utilizador e a respetiva palavra-passe. Considerando esta regra, o National Institute of Standards and Technology (NIST), nos Estados Unidos da América publicou, em 2003, a norma 800-63, com o objetivo de promover o que se considerava uma boa palavra passe – uma mistura de letras, números e símbolos. A palavra-passe ideal pressupunha uma boa dose de aleatoriedade, impossibilitando terceiros de a adivinharem. O problema é que estas palavras-passe são difíceis de memorizar e os utilizadores acabam por reutilizar a mesma palavra-passe nos vários sistemas onde se registam ou escrevê-las num papel ou ficheiro (uma grave quebra de segurança).

 

Recentemente, o NIST revisitou esta norma com um foco bastante diferente. Enquanto a primeira norma se focava na questão técnica da segurança e na qualidade da senha, a nova revisão concentra-se na usabilidade do sistema de autenticação. A razão é fácil de perceber, sendo resumida por Jim Fenton na sua apresentação durante a edição de 2016 do evento PasswordsCon da BSides em Las Vegas: se não é usável, os utilizadores fazem batota e quebram qualquer esquema de segurança.

 

Para minimizar os riscos de segurança cometidos pelos utilizadores, as boas práticas sugerem que se impeça o registo de senhas comuns (como “123456”) e recomenda-se aos utilizadores a utilização de uma palavra-passe de várias palavras, em vez de caracteres aleatórios sem qualquer suporte cognitivo. É também recomendado, caso seja possível e aplicável, que os utilizadores façam uso de ferramentas de gestão de senhas (ex: KeePass, LastPass, Dashlane) evitando a necessidade de memorizar as palavras-passe utilizadas em cada sistema.

 

Os métodos de recuperação de palavras-passe devem também ser ajustados. Desaconselham-se os desafios de perguntas e respostas (já que não são eficazes, pois obrigam a recordar a palavra-passe, a pergunta e a resposta escolhidos para ajudar a adivinhar a palavra-passe) e a devolução de pistas (como acontecia no ecrã de login do Windows 7), porque facilita o trabalho a hackers com algumas capacidades de engenharia social.

 

Tendo em vista a usabilidade dos sistemas de autenticação, a norma 800-63 recomenda o fim da expiração periódica de senhas de acesso. Normalmente, estas expiram por existir a probabilidade de alguém ter tido acesso indevido à senha. Tal pode acontecer, essencialmente, de duas formas.

 

A primeira ocorre quando é o próprio utilizador que partilha a senha. Neste caso, importa perceber a razão desta partilha e identificar se ocorreu por não serem facilitados os mecanismos de delegação no sistema, fazendo com que a palavra-passe seja partilhada de forma ingénua (por exemplo, através de um post-it no computador).

 

A segunda acontece quando o acesso é comprometido por um hacker e, aí sim, é essencial invalidar a senha e repô-la. Neste caso, a recuperação de acesso deve ser efetuada por um meio alternativo, por exemplo na presença do utilizador. Considerando que os sistemas são devidamente seguros e periodicamente verificados, então a invalidação do acesso só deverá ocorrer mediante evidências de que a conta possa estar comprometida.

 

A norma revisita ainda todo o processo de autenticação e, apesar do foco estar na usabilidade do sistema, as considerações de cariz técnico não foram postas de lado. São aconselhados procedimentos como o throttling (capacidade do site limitar o ritmo de pedidos efetuados de forma a impedir ataques de força) ou a autenticação de dois fatores (que confirma a identidade do utilizador com recurso a aplicações de autenticação como o Google Authenticator).

 

Na prática, a revisão da norma 800-63 incorpora a atual tendência de olhar para a segurança e, consequentemente a usabilidade, como parte integrante do ciclo de desenvolvimento de um sistema. Esse será o caminho certo para se construírem sistemas mais seguros.

 

Ricardo Anastácio é coordenador de projeto e consultor de segurança na Opensoft.

 

Artigo publicado originalmente no SapoTek.

 

Sem comentários

Deixe um comentário

Comentário
Nome
Email
Website